domingo, 1 de julho de 2007

a menina que roubava livros

- - - de Tereza, para o na Vitrine.








Autor: Markus Zusak
Editora: Intrínseca
Título original: The Book Thief
Tradução: Vera Ribeiro




É comum ter dois pés atrás quando se trata de best-sellers, principalmente depois de Código Da Vinci (se você gostou dificilmente vamos nos entender), mas esse vale a pena.
Quase um conto infantil, só a premissa da narradora ser a Morte já é divertida. Afinal, quem é mais gentil, engraçada e imparcial que a Morte? Engana-se quem pensar que o livro é sobre a segunda guerra, ele se passa na guerra, a guerra é importante, mas a verdade é que é tudo uma grande homenagem a qualquer um que acredite que livros podem ser a coisa mais bela e importante da vida.
Esteticamente ele já vale a pena, misturando narrativa tradicional com pequenos, o que, poemas? Conselhos? Provérbios? E ainda encontrando espaço para ilustrações e levando aos extremos de ter um livro dentro de um livro. Fantasia metalinguistica completa.
Acima de tudo o livro apresenta grandes personagens. A protagonista é interessante, inteligente e acima de tudo, alguém que poderia muito bem ser real. Sua família é totalmente adorável e nem me deixe começar a falar sobre os dois homens da sua vida.
Max, um judeu se escondendo é a epitome do sofrimento mas dificilmente você sente pena dele, ele é muito forte pra isso.
E Rudy Steiner, o galante, valente, muitas vezes idiota Rudy, quem poderia recusar um beijo dele? O exemplo da perfeição ariana. Ele também odeia Hitler. Ele ensina que também é possível haver infância e ser feliz até na Alemanha durante a guerra. Que um alemão ariano pode admirar (e imitar) Jesse Owens. É, eu estou meio apaixonada por ele. Você também vai ficar.
É claro que é tudo muito triste. Nas minhas anotações (já fizeram isso? altamente recomendável) eu chorei pela primeira vez na página 37 e porque? Porque alguém morreu? Não, porque eu achei alguma coisa bonita. Chorei de novo na página 189 e finalmente na 226 meu coração se partiu. Mas de um jeito bom.
Inclusive, é um bom livro pra masoquista, já que a Morte, omnisciente conta antes as coisas que vão acontecer. Ou seja, você sofre por antecipação.
O livro não é perfeito, é comercial pra caramba, mas ousa ser diferente quando podia ser só mais um. Deixe-se tocar, faz bem para a alma.






13 comentários:

Rafael disse...

Por enquanto, o que eu posso dizer é que a capa é simplesmente LINDA!!!

Renata disse...

Me eeeeempreeeesta?

=]

Vinny disse...

Li este livro semana passada. Realmente o livro é lindo, estou até me sentindo um pouco órfão dele, como Liesel se sentiu quando foi para a Rua Himell.

Ótimo post. Adorei o blog, estarei visitando sempre.

~~
http://deculs.blogspot.com

Anônimo disse...

Uma bela estória, belos personagens, bom conteúdo, mas estou sentindo falta daquele toque especial na alma? Entende?

Mas é uma leitura agradável, acho que não se deve deixar de ler.

Vamos ver se até o final eu mudo minha opinião.

Quanto à narrativa da morte, se prestarem atenção não é a primeira vez que isso acontece. Saramago já recorre a tão fabulosa narradora em seu livro "As intermitências da morte", é um outro livro, uma outra visão, mas é uma boa dica para quem gostou da mesma como narradora.

Luiza disse...

O Livro é maravilhoso!!

Você morrerá de rir com o Rudy, torcerá pelo romance dele com Liesel, se emocionará com o Hans huberman e a luta daquele povo que tanto sofreu nas mãos de um certo ditador.

Enfim, te faz rir, torcer, chorar...

Estou torcendo pra ele ser transformado em filme.
E se feito, torcer muito para que o James Cromwell seja o ator que fará o pai de Liesel.

esamaztur disse...

é Realmente um livro maravilhoso,
que no fim, voce fica com um gostinho de quero mais.
Da vontade de começar a ler novamente. Muito bom.

Anônimo disse...

Não sei se por causa do filme "O Operario", mas se este livro virace filme, só imagino Christian Bale como Max. Acho que seria o cara para o papel.

Andressa disse...

Luiza, eu também queria ver o James Cromwel no papel do pai da Liesel. Li o livro inteiro pensando nele. Seria perfeito, né?

Melhor ainda se o Christian Bale fosse o Max, como disse o anônimo. Concordo plenamente!

Penso que a Liesel deveria ser uma menina parecida com aquela que fez a Amelie Poulain criança: http://www.youtube.com/watch?v=kID1vB22m1s

Vi um video hoje que poderia ser o trailer do filme mas não é: http://www.youtube.com/watch?v=mQ6f0_0iGf0

É o triler do livro.

douglas da silva santos disse...

Nosssa acabei de ler,nossa o filme é demais,uma coisa unica realmente...quero logo que chegue o filme!

Boa critica(tirando o seu demasiado desagrado com o grande best-sellers do dan brown)gostei da sua critica,classificaria como:}"Uma otima leitura que foi feita".

Anônimo disse...

Eu estou na metade do livro e já o achei simplesmnete perfeito. Por que o autor faz uma historia de como as pessoas viviam na Alemanha nazista. Ótimo vale mesmo a pena ler.

Ana Paula ^^ disse...

Estou na página 46 e já posso afirmar que o livro é maravilhoso vale a pena ler =]

Michelle disse...

Eu terminei de ler o livro faz 2 dias, mas estou com ele na cabeça até agora, nunca chorei por causa de um livro, e nesse eu choprei muito..... A história é linda, e muito triste, e amor que a Liesel tem pelo pai é lindo!!!!
Esse livro é apaixonante!!!!!!
Não vejo hora de poder ver o filme!!!!

Anônimo disse...

ler todo o blog, muito bom

na Vitrine.