sexta-feira, 13 de julho de 2007

Blood Diamonds (not your blood, of course)

- - - de Renata, para o na Vitrine.




2006
Diretor: Edward Zwick
Elenco: Leonardo DiCaprio, Jennifer Connelly, Djimon Hounsou









Eu sei que é clichê, mas é assim que quero começar essa postagem:


You think you got problems? Think again.

Tá aí uma coisa que eu gosto em filmes sobre as desgraças africanas. Eles mostram, como mais nada neste mundo, como a sua vida É boa. Sua vida não pode a vir ficar boa. Ou você tem uma boa perspectiva de futuro. É e pronto! E você não tem nenhum argumento bom o suficente para provar o contrário. Eu acabei de não encontrar meu nome na lista de aprovados na UnB. Africanos, todos os dias, não encontram os nomes de seus filhos, pais e mães nas listas de sobreviventes das guerras intermináveis que rolam por lá. Eu posso estar me sentindo uma merda no atual momento, desesperada e infeliz. Isso não é nada. Meu sofrimento não é nada.

Enfim, o filme. A história se passa no país, diga-se de passagem considerado oficialmente o mais pobre do planeta: Serra Leoa. E eu já senti um gostinho de como é ser completamente ignorado exatamente por ser pobre e africano... No meu 2o ano participei da Simulação da ONU, Sinus, e fui Burkina Faso, o 2o mais pobre. Ninguém, ninguém, dava lhufas para o que eu tinha a dizer. Imagina na vida real.

É, é, o filme... Ele pode ser hollywoodiano, com algumas cenas de ação e violência, mas acho que é só assim mesmo que a galera presta atenção, então eu aprovei. Leonardo DiCaprio, que há muito tempo perdeu aquela beleza juvenil para dar espaço a um charme maduro que não me fez ficar de joelhos mas ganhou minha atenção, atuou bem como o mercenário que se conforma (até certo ponto) com a vida manchada que leva. Na verdade, eu simpatizei fortemente com ele. Me lembrou muito meu primo Boban, um sérvio criado em Angola que veio morar aqui no ano passado com meus tios. Boban presenciou muitíssimo de perto as guerras civís (Angola e Iugoslávia) e raramente discutiu comigo sobre o assunto, mas seus comentários sempre ficaram em minha mente.

Djimon Hounsou (maravilhoso, na atuação e na aparência, diga-se de passagem) interpreta não só um pescador com um péssimo destino. Para mim, ele simbolizou a inocência e a esperança que muitos africanos devem sentir todos os dias. Ele tinha fé e não raiva. Talvez seja essa a imagem que os grandes estúdios querem passar para nós, os mais afortunados. Povos negros bondosos e trabalhadores, esperando uma intervenção divina em todo o continente. E sabem de uma coisa? Se algum dia, se Deus quiser, eu estarei circulando dentro desse estúdios e estarei trabalhando nessas imagens, porque eu quero essa intervenção. Eles merecem, já se passou tempo demais.

O pequeno e pouco romântico romance entre os personagens de Leonardo DiCaprio e Jennifer Connelly (uma jornalista que quer fazer a diferença). Eu adorei esse relacionamento. Foi realista e ao mesmo tempo sonhador. A sinceridade que prendia a garganta. Achei belíssimo, mas normalmente ninguém vê o que eu vejo, então podem ignorar esse comentário se quiserem.

Por fim, os diamantes. No final do filme, eu perguntei para a minha mãe, que passava pela sala:

- Esse anel que você me emprestou a mais de quatro anos....

- Aham.

- Aham o que?

- São brilhantes.

- Diamantes?

- É.

Imediatamente eu o arranquei de meu dedo. E foi adeus.

E não se esqueçam: TIA (assistam o filme e vocês vão entender).

6 comentários:

la texana disse...

eu não assisti pq minha mãe foi vere e voltou falando que era melhor que o jardineiro fiel, ai eu tomei raiva do filme, pq melhor que jf, impossivel.
Leonardo DiCaprio, beleza madura? ewwww, nunca.

agora Djimon a gente concorda. se não me engano foi ele q fez amistad (pq os filmes do spilberg sobre a saga negra nos eua são tão bons?)

Renata disse...

Porque Spilberg é bom =]

Rafael disse...

então é provável que eu goste desse filme, pq acho que sou uma das únicas almas do planeta a achar " o jardineiro fiel" grande e chato (mas eu não gosto do spielberg).
E Re, pode parecer estranho, mas eu achei que você escreveu essa crítica muitíssimo bem. Assim, estilisticamente falando. Sério.
:: :: ::

Renata disse...

yay! Brigada, adoro elogios vindos de vc =]

la texana disse...

eu não sou muuuuuuuuuuuuiiiiiiiiiittooooooo fã do spilberg, mas amistad e a cor purpura são excelentes! e q pecado, jardineiro fiel é um dos filmes mais perfeitos de todos.

Anônimo disse...

Obrigado por Blog intiresny

na Vitrine.